31 janeiro 2011

STRUDEL DE ANANÁS E BAGAS GOJI

Sai mais um strudel, desta vez de Ananás e Bagas Goji, inspirado na Geleia de Abacaxi e Baga Goji do Naco Zinha. Assim que vi a escolha da Gina, de geleia para utilizar as bagas, pensei logo num strudel já que o Apfëlstrudel tinha sido tremendo sucesso. Aventurei-me, então, num strudel tropical. E não saiu nada mal!!

Aliás, saiu melhor que a "encomenda". Serviu de lanche em casa da sogra, acompanhado de gelado
Tofú Choco Cream e chá de Flôr de Amaranto. Supê Chique! Supê Boooooom!
INGREDIENTES:
  • 2 embalagens de massa folhada;
  • 1 Ananás dos Açores;
  • 1/2 pacote de Bagas Goji secas;
  • Raspa de limão biológico;
  • Açúcar mascavado claro q.b.;
  • Farinha de trigo semi-integral q.b.;
  • Pitada de Erva Doce em pó.
CONFECÇÃO:
Num refratário deite as bagas goji no fundo. Comece a partir o ananás aos pedaços pequenos para dentro da tijela. Assim as bagas vão absorvendo o suco que o ananás vai largando. De seguida povilhe generosamente com açúcar, farinha e erva doce. Envolva sacudindo a mistura. Volte a povilhar de açúcar, farinha e erva doce em pó. Aplique a raspa de limão e rode o preparado para incorporar. Reserve.
Estenda uma das bases de massa folhada. Coloque o recheio. Levante as laterais da massa mas não feche completamente. Corte a 2ªmassa em tiras. Aplique as tiras como se fosse fita-cola para fechar suavemente a massa de baixo. Leve a forno forte a 220º/240º. Cuidado para não ter o grill ligado, caso contrário queima sem folhar.
NOTA:
Gostaria de ter usado massa folhada caseira. Mas o tempo não tem chegado para tudo. Como foi uma necessidade em cima da hora para presentear os sogros com um lanchinho tive de usar massa de compra.
Mais ainda, experimentei a massa redonda do Continente mas continuo a preferir a massa retangular do LIDL.

29 janeiro 2011

MANGA VERDE EM SALADA

Quanto mais novidades descubro, mais quero descobrir. São viciantes, motivantes e deslumbrantes as potêncialidades. É uma das razões porque amo viver e sou feliz. Raras vezes entro em tédio porque busco incessantemente uma vida variada, os meus interesses são diversificados e não nego oportunidades ao novo. E isto não quer dizer que aprovo o consumismo exgerado. Aliás, sou minimalista e desapegada a bens materiais. Sou uma defensora acérrima da simplicidade. Mas adoro aumentar conhecimento, adoro experimentar, adoro inovar!
Dai que, entrei num mundo novo, no mundo da Manga Verde. Quem não conhece Manga madura? E a verde? Aquela que antes de amadurecer pode ser comida como um legume. O paladar lembra uma maçã citrica. Não acida, mas alimonada... Rijinha, suculenta q.b., nada fibrosa, de aroma tropical suave... muito gostosa, crunchy, do género daquelas maçãs do anúncio das gengivas de betão!

Para começar deixo-vos uma salada muito simples. Quem quiser complicar, faça favor. Serviu de acompanhamento às almondegas de kibe.
INGREDIENTES:
  • 1 alface frisada biologica;
  • 1/2 manga verde laminada;
  • Sal fino e pimenta em pó;
  • Azeite q.b.
CONFECÇÃO:
Descascar apenas metade da manga, se for usar toda, descasque toda como é óbvio. Com um descascador de cenouras, lamine a manga em finas fatias. Tempere de sal fino e pimenta. Reserve.
Lave a alface, corte em juliana. Misture a manga e regue com azeite. Não necessita de vinagre nem de limão porque a manga já é alimonada.

26 janeiro 2011

CHOVEM ALMÔNDEGAS! (The movie in my kitchen)

Há dois anos atrás, criei uma rubrica no PPP intitulada 1 filme - 1 prato. Divertia-me imenso na associação que podemos estabelecer entre os filmes e a gastronomia. Claro que nem todos os enredos se prestam a tal, mas há um número elevado de filmes sobre comida ou em torno do hábito de comer, facilmente detectáveis.

CHOVEM ALMÔNDEGAS é dos tais! Não só o título tem a ver com culinária como desde o principio até ao fim do filme, só se fala de comida! Resumindamente, é a história dum cientista que desde miúdo queria ser inventor. Até que certo dia, ao fim de muitas tentativas frustadas, cria uma máquina, género satélite, que faz chover refeições prontas. Deste modo deixa de ser o "patinho feio" da vila para se tornar num homem bastante admirado e respeitado.
O cidadão que tira o lugarejo do anónimato, já que apartir desse dia passaram a chover coisas deliciosas como gelado, rebuçados, hamburgueres, cachorrões,...tornando-se uma atracção turistica. Mas eis que a máquina com excesso de uso, começa a funcionar mal, fazendo chover tamanhos XXXL, almôndegas gigantes e tornados de esparguete!! Querem saber mais? Vejam o filme. É giro :)

Para mim teve ainda mais fascínio, a descoberta que fiz, posterior ao filme. Saibam que Chovem Almôndegas é inspirado no livro infantil
CLOUDY WITH A CHANGE OF MEATBALLS de 1978. A meu ver, a história contada entre lindos desenhos, é um autêntico sonho. Concerteza que estimulou a criatividade de todas as crianças que a ouviram, ao deitar. Fala-nos dum lugar onde não há supermercados, onde as refeições caem do céu, em chuvas periodicas, 3x ao dia :) Por exemplo de manhã, é normal chover sumo de laranja e croissants. Ao almoço, umas salsichas com nuvens de mostarda... Ao lanche porque não, neve de gelado? Ninguém se importa com o menú, come-se o que o tempo trouxer. Querem saber mais? Comprem o livro, ou vejam o link indicado.
Hoje, cá em casa, também choveram almôndegas de kibe. Estavam uma delicia! Acompanhadas com bolinhas de espinafres, cenoura e batatas noisettes juntamente com uma grande salada.
INGREDIENTES das almôndegas:
  • 1 caneca de triguilho para kibe;
  • Tempero Knorr directo ao forno (p/entrecosto mas não tem produto animal);´
  • 1 cebola grande;
  • 1/2 chouriço de soja;
  • Azeite q.b.;
  • 1 cenoura;
  • 1/2 pimento verde;
  • Alho em pó;
  • Pimenta em pó;
  • Sal fino;
  • Cebolinho fresco picado;
  • 1 ovo;
  • Farinha q.b.
INGREDIENTES do molho de tomate:
  • 1 cebola;
  • 1 lata pequena de tomate pelado;
  • Azeite q.b.;
  • 3 colheres de polpa de tomate;
  • 1/2 chávena de água;
  • 1 cubo de caldo de vegetais;
  • 1 colher (café) de açúcar;
  • Pitada de sal.
CONFECÇÃO:
Num tacho refogue a cebola picada com o chouriço picado em pouco azeite.
Enquanto isso, tempere o kibe com 2 colheres de tempero knorr e cubra com água a ferver. Deixe absorver.
Pique grosso a cenoura com o pimento. Junte o kibe bem espremido com o refogado de cebola e o picado de cenoura. Tempere de alho, pimenta, sal e cebolinho picadinho. Adicione 1 ovo batido.
Unte um tabuleiro com azeite. Molde almôndegas de kibe com ajuda de farinha e leve a forno quente a 200º. A meio do tempo, vire as almôngedas para secarem de ambos os lados.
No fogão prepare o molho. Refogado de cebola e tomate em azeite até murchar. Adicionar a polpa de tomate, água e cubo de caldo. Ferver/Mexer. Triturar com a liquidificadora de mão. Temperar de sal e açúcar para retirar acidez. Deixar engrossar até desejado.
ARTIGOS RELACIONADOS:

20 janeiro 2011

CHÁCOLATE EXPRESSO ESPECIAL CREMA

Tinhamos ido ao Media Markt e mais uma vez aquelas Krups Dolce Gusto segredavam-me ao ouvido: Compra-me! Compra-me! Sou tão fashion e agora até tenho cápsulas de chocolate quente e cappuccino!

As tramadas tentações do consumismo levam-me por vezes a nem querer visitar estes locais, só por causa dos "assédios"! O marido dizia: Mas queres? Se queres compramos...

Eu, em convulsões interiores, degladeava-me com a minha consciência ecológica: A poluição gerada por estas máquinas em termos de cápsulas vazias é tremenda! Mesmo já havendo reciclagem de cápsulas, não se justifica ceder.

E o "grilo falante" não me largava: Pois, pois! Compra uma, compra! E o que fazes
à tradicional que tens lá em casa??

Para cúmulo, vem a demonstradora oferecer-me um Nesquick Express! Eu já estáva de saída, foi o que me valeu, mas aquele chocolatezinho quente caiu-me tão bem enquanto atravessava o Retail Park em direcção ao carro, que vim o caminho todo a idealizar uma imitação caseira cápsula-free! Assim nasceu o espetacular CHÁCOLATE EXPRESSO!

INGREDIENTES:

Chocolate em pó Pantagruel (ou outro igualmente bom);

2 colheres (café) de açúcar mascavado claro;

Pitada de canela em pó.

CONFECÇÃO:
Escaldar uma chávena de chá, meia de água no ferro lateral da máquina. Desta forma aumeta-se a temperatura dentro da máquina e ao mesmo tempo aquece-se a chávena. Não opte por escaldar a chávena com água aquecida fora.
Misturar chocolate em pó com açúcar mascavado claro e pitada de canela. Encher a forma para 2 cafés no manipulo da máquina com esta mistura. Calcar com o pé do doseador, bem prensadinho. (manipulo e doseador na 1ªfoto)
Despejar a água quente da chávena escaldada e tirar o chocolate quente. Beber de imediato! Simplesmente divinal. Isento de lactose, por isso lhe chamei chá de chocolate ou chácolate :)

18 janeiro 2011

BOLACHA PIPOCA DE ARROZ COM CURD

Não. Não fui eu que confeccionei a bolacha de arroz tufado. Nem sequer fui eu que apliquei a cobertura de chocolate. Mas fui eu que juntei curd de toranja e que me deliciei com a maravilhosa combinação. E por ser um sabor explosivo, não podia deixar de partilhar convosco esta dica :)

Já em tempos confeccionei
Barritas Caseiras de Cereais no meu Forno Solar, dai que provavelmente será algo a experimentar aquando dos primeiros raios fortes de sol primavril: Barritas ou bolachas de arroz tufado com cobertura de chocolate e fruit curd.

Por enquanto, vou-me deliciando com as bolachitas que se vendem na secção AreaViva do Continente.

INGREDIENTES:
Bolachas de arroz tufado cobertas de chocolate negro (60% cacau);
Curd de toranja caseiro (
link aqui).
CONFECÇÃO:
É só barrarrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr!
NOTA:
Pode não parecer mas são bolachas light :)

16 janeiro 2011

BIODESAGRADÁVEL NA TEIA AMBIENTAL

Biodesagradável ou biodegradável?
Biofuel ou biofool?
Biodiesel ou biodisease?

Que é biochato, é! Ganho uma bio-irritação cada vez que tomo consciência do aproveitamento económico e político dos movimentos pró-ecológicos!

Andava tão contente com a reciclagem de óleos usados, com a reciclagem de plástico, com o dizer NÃO aos sacos plásticos, e até mesmo, numa primeira fase, com a fibra vegetal plástica... quando caí, literalmente das nuvens, desiludida com o facto, do sonho ecológico e sustentável, não ser a realidade em marcha!

Mas porquê!? Porque é que os interesses económicos falam sempre mais alto e todas as descobertas maravilhosas dos cientistas, acabam na mão dos tios patinhas que adoram mergulhar em dinheiro e nunca se cansam de acumular riqueza!?

É o que se passa com os bioplásticos e os biocombustíveis! O que parecia ser excelente alternativa ao petróleo, arrisca-se a ser, desastre ambiental. Corre-se o risco de semear apenas plástico e combustível em vez de semear alimento, simplesmente porque é mais lucrativo!

Quando tal acontece, tudo é válido. Se não são amidos para comer, mas sim para converter em combustivel ou plástico, qual o problema de ser OGM?

Parece inofensivo mas não é! A exemplo temos o impacto do algodão genéticamente modificado na fauna local e as alergias causadas aos trabalhadores agricolas de plantações transgénicas em geral. No entanto, roupa OGM em nada nos parece prejudicial, pois não?

O mesmo sucede com o bioplástico feito apartir de amido de milho e de batata. E com o biocombustível feito apartir de óleos vegetais de girassol, soja e palma. A primeira ilação que se retira é que é uma alternativa ecologica porque são produtos compostaveis, de fonte renovável... mas será sustentável? Com que direito incentivam as petroliferas e os governos à agricultura para biocombustivel? Com que direito se procede ao desmatamento de floresta para conversão em plantio de bioplástico?

Não seria bem mais fácil acabar com corridas de automóveis ou de motas, com shows aéreos de avionetas, com desportos nauticos de embarcações de recreio e motas-de-água, com tudo o que é superfulo e fútil? Só aí poupariamos imenso petróleo! Há sim que encontrar alternativas energéticas mais ecológicas e renováveis, mas fugir dum problema para nos metermos noutro, a mim parece-me pura estupidez!

Na minha cozinha continua-se a utilizar o milho e a batata para um fim meramente primário. O 1ºdegrau das necessidades humanas, lembra-nos que há uma hierarquia a respeitar: Primeiro alimenta-se o mundo, depois aproveita-se os excedentes para os mais diferentes fins. Não se coloca a carroça à frente dos bois. Não faz sentido utilizar terrenos de cultivo para alimentar carros e industria de plásticos, enquanto que a escassez de alimentos leva ao aumento dos preços ou até mesmo à fome em certos continentes.

INGREDIENTES para o rolo de kibe:
  • 1 copo de triguilho para kibe;
  • Tomilho seco;
  • 250 gr tofú fumado;
  • 1 cebola grande picada;
  • 4 dentes de alho picados;
  • 1 chávena milho congelado ou enlatado;
  • 2 ovos inteiros;
  • Azeite;
  • Manjericão seco;
  • Sal e pimenta em pó;
  • Um pouco de farinha.

CONFECÇÃO:

Temperar o kibe seco com tomilho e sal. Hidratar com água quente durante 15 minutos.

Picar o tofú fumado. Picar a cebola + os alhos. Picar o milho congelado. Pode utilizar directamente do congelador para o triturador.

Espremer o kibe, juntar o tofú, a cebola/alho, o milho. Temperar de manjericão, sal, pimenta, azeite. Bater 2 ovos e incorporar na massa.

Numa assadeira untada de azeite, moldar um rolo de kibe. Enfarinhar ligeiramente para que não abra durante o assado. Levar a forno quente (200º) durante 30 minutos.

À parte fritar alhos em azeite e quase no fim do rolo estar pronto, regar com o azeite e alhos. Acompanhar com batata-frita, espinafres salteados e tomate com oregãos.

Este é um momento de reflexão que pretende inquietar as mentes mais dorminhocas. A Teia Ambiental em 2011 terá tema livre. Todos estão convidados a participar. É de periodicidade mensal. Outras participações que vale a pena conferir:

Alma Mater
Flora da Serra

Dicas Green

14 janeiro 2011

APFELSTRUDEL, APPLE STRUDEL ou Folhado de Maçã

Tinha cá umas Äpfel ainda de Agosto 2010, as tais que já vos falei no post da chococastanhada, juntei-lhe umas uvas-passa de Setembro de 2009 e saboreei uma espetacular pastelaria austriaca num fim-de-semana de Jan 2011, à tarde.

Apfelstrudel nasceu em Vienna, correu a Europa como Apple Strudel e para nós também já deixou de ter segredos, é apenas um magnifico folhado recheado de pedacinhos de maçã. Acabadinho de sair do forno, acompanhado de gelado, conquista-nos com seu quente e frio. Uma sobremesa tipicamente outonal ou invernil.
INGREDIENTES:
  • 2 massas folhadas retangulares (marca LIDL);
  • 750 gr de maçã biológica;
  • 2 "mãos" de uvas-passa;
  • açúcar mascavado claro;
  • farinha de trigo;
  • raspa de 1 laranja biológica;
  • canela em pó;
  • Gelado (usei chocolate, menta e noz)
CONFECÇÃO:
Aquecer o forno a 200º (importantissimo).
Lavar muito bem as maçãs biologicas, retirar apenas caroços. Cortar aos cubinhos com casca, para um refratário. Juntar as passas. Povilhar de açúcar. Misturar rodando a maçã (costumo sacudir o refratário). Povilhar de farinha. Misturar de novo. Povilhar de canela. Misturar de novo. Juntar raspa de laranja biologica. Misturar de novo.
Abrir uma das massas num tabuleiro de ir ao forno, despejar a mistura de maçã no centro, dispondo sobre o comprimento da massa.
Cortar a outra massa folhada em tiras. Aplicar as tiras como se fosse "fita-cola" para unir as abas da 1ªmassa. Mas atenção que a 1ªmassa folhada não fecha por completo (basta olhar na foto). Aumentar temperatura do forno para 220º. Levar ao forno até folhar completamente. Servir quente.

12 janeiro 2011

GRAPEFRUIT CURD ou Creme de Toranja

Ócio Pensante é o meu passatempo favorito. Quando as vozes se calam, os olhos se fecham, as distracções são diminutas, a mente viaja, PENSA! E pensar é o meu desporto predilecto. Não precisa de equipamento de desporto, não precisamos de tomar banho após "esforço", só precisamos de algum silêncio, mas com a prática PENSA-SE em qualquer lugar, a qualquer hora, de olhos bem abertos a todos os estimulos neurais que deixaram, entretanto, de ser distracções para passarem a ser contribuições para uma mente inquieta!

INGREDIENTES:

200 gr açúcar mascavado claro;
2 ovos inteiros;
+ 1 gema de ovo;
60 gr manteiga de soja;
Sumo de 1 toranja vermelha (aproximadamente 100 ml);
Casca de 1 toranja vermelha biológica;
Casca de 1 tangerina biológica.

CONFECÇÃO:

Com uma faca afiada separe as cascas das frutas préviamente lavadas e secas. Evite trazer agarrado a parte branca, pois só queremos o vidrado laranja.

Com o copo do liquidificador bem seco, pulverize o açúcar, ou se quiser use açúcar em pó. Na bimby, 20 segundos, velocidade 9.

Junte as cascas ao açúcar pulverizado e triture até obter casca ralada fino. Se quiser pode ralar a casca directamente dum ralador em vez de cortar do fruto. Na bimby, 20 segundos, velocidade 9.

Adicionar a manteiga e o sumo, programar 2 minutos, velocidade 2.

Juntar os 2 ovos mais a gema, programar 10 segundos, velocidade 4.

Por fim, programar 7 minutos, temperatura 80º, velocidade 3. No caso de não ter bimby, depois de triturar os ovos, leve ao bico do fogão, em lume baixo, e mexa sempre enquanto estiver ao lume até engrossar.

Guarde no frigorifico. Dura mais de 1 mês.

ARTIGOS RELACIONADOS:

Lemon Curd ou Creme de Limão
Charutos de Chocolate recheados de Lemon Curd

10 janeiro 2011

PIZZA DIFERENTE COM QUEIJO CABRA

Ultimamente tenho preparado pizzas bastante diferentes das tradicionais. E como tal, nasceu em nós uma paixão, nunca antes vista, por pizza. Há uns dois meses para cá que pelo menos 1 x por semana, confecciono um improviso veggie-italiano de base fina e crocante.

Construir uma pizza é como pintar um quadro, sentimos a inspiração a surgir, olhamos para a massa como quem olha para uma tela e dispomos em "pinceladas" largas a imaginação culinária, plena de cores, de cheiros e de sabores. Em breves momentos sai quentinho do forno, "um picasso" a implorar para ser comido :)

Apenas a foto não faz justiça à sua magnificência. Por vezes não tenho comigo a minha Finepix S5600 e fotografo com o que tenho à mão: telemóvel ou máquina de filmar da Carolina :(

Ahhh quase esquecia de referir que a amiga
Ameixinha contribuiu imenso para este sucesso redondo, com o seu post Courgettes assadas no forno com tomilho. As courgettes temperadas desta forma ficaram sensacionais. Obrigada pela ideia!!

INGREDIENTES:

1 base de pizza;
Azeite q.b.;
Oregãos secos;
1 Cebola média;
2 Tomates médios maduros;
1 Courgette;
Tomilho q.b.;
Queijo de cabra (de pasta mole redondo);
Pinhões.

CONFECÇÃO:

Cortar a courgette aos cubinhos, povilhar de sal grosso e de tomilho. Deixar descansar uns 5 minutos.

Na Actifry saltear a courgette com 2 colheres de azeite durante 15 minutos.

Aquecer o forno a 140º, levar a base de pizza simples a assar por 7 minutos. Retirar do forno, untar com azeite, povilhar com oregãos secos. Decorar com argolas de cebola laminada, sobrepor camada de tomate maduro laminado. Por cima dispor a courgette aromatizada. Termine com fatias de queijo cabra de pasta mole redondo, aquele que tem uma casca branca tipo brie. Salpique de pinhões crús.

Leve ao forno, a 220º, durante 30 minutos.

ARTIGOS RELACIONADOS:

Calzone na Pedra
Argolada de Pizza Vegetariana
Pizza de Morcela e Mortandela Vegetariana
Pizza Hot Chili Beans
Pizza Carbonara Vegetariana
Pizza de Alheira Veggie
Pizza de Marmelada e Canela

08 janeiro 2011

CHARUTOS DE CHOCOLATE RECHEADOS DE LEMON CURD

Foi um dos meus contributos para a mesa de ceia de Natal. Bombons caseiros de chocolate negro (70% cacau), recheados de lemon curd.

INGREDIENTES:

2 tabletes chocolate negro (70% cacau);
Óleo de girassol;
Lemon curd caseiro (ver link
aqui).
CONFECÇÃO:
Derreter o chocolate partido em pedaços, em banho-maria.
Untar a forma com óleo e de seguida com chocolate derretido.
Deixar arrefecer no frigorifico.
Rechear com lemon curd frio. Cobrir com chocolate derretido. Guardar no frigorifico.
Desenformar apenas no fim dumas boas horas de frigorifico, para evitar o risco de partir.
A forma utilizada é de plástico. Porém as de silicone são as ideias pois são maleáveis.

06 janeiro 2011

CHOCOCASTANHADA DE MARMELO

Ando tão contentinha :) É que os marmelos não se acabam por estas bandas!! Supostamente a época de colheita do marmelo em Portugal é Outubro. Com um bocadinho de sorte chegamos até finais de Novembro ainda com fartura de marmelo, mas...Janeiro!!!

Claro que é possivel ! Inclusive, ainda na semana passada, comi pêros da terra do meu sogro que tinham sido apanhados em Agosto :) A sabedoria popular da melhor forma de colhê-los e guardar, permite comer fruta fora de época que não é de estufa, nem é refrigerada. Pois os ditos pêros simplesmente foram guardados em local fresco e escuro. Penso eu que não têm mais nenhum segredo. E são biológicos!

Outro fruto que começa a deixar de ter segredos para mim, é a castanha portuguesa. Uma forma de consumi-la fora de época passa por deixá-la "
pilar". A castanha pilada ao ar frio e ao sol subtil de Outono, alarga a época de consumo da mesma. Já aqui dei exemplos de como usar castanha pilada: Pão Ouriço de Castanha e Mousse de Castanha e Laranja. Esta marmelada de castanha e chocolate é mais um exemplo saborosissimo!

INGREDIENTES:

900 gr de Marmelo Biológico (depois de retirar caroços fica em 780 gr +/-);
2 "mãos" cheias de castanha pilada (sem casca mas com pêle);
220 gr Açúcar Mascavado Claro;
4 colheres de chá de chocolate em pó.

CONFECÇÃO:

Numa tijela coloque as castanhas de molho com água purificada. Comece a cortar os marmelos em 4, retirando apenas os caroços e reservando dentro da água das castanhas. Terminado o processo, deixe repousar 15 minutos para hidratar mais um bocadinho as castanhas secas.

Escorra os marmelos, parta-os em pedaços mais pequenos mas não retire a água às castanhas até ao momento que precisar delas.

No copo da bimby junte os marmelos e o açúcar. Triture grosso com casca. 30 segundos, vel 9. Junte as castanhas sem água e triture mais 1 minuto na vel.9.

Programar 30 minutos, temperatura 100º, velocidade 3. Ajudar com a espátula da Bimby.

Ao fim deste tempo, retirar o copinho de cima, virar o cesto ao contrário sobre a tampa para evitar salpicos, programar mais 25 minutos, temperatura Varoma, velocidade 3. Nos últimos 7 minutos, adicionar o chocolate em pó pelo bucal da tampa e vigiar para não deixar queimar. Ajude com a espátula da Bimby a rodar a marmelada dentro do copo.

ARTIGOS RELACIONADOS:

Cenourada de Marmelo
Marmelada Mista de Marmelo e Maçã
Marmelada Bimbólica Simples

NOTA FINAL:
Atrevo-me a sugerir que as amigas brasileiras experimentem estas variações com goiba. Acredito que a goiba seja uma alternativa viável para o marmelo. Depois digam-me o resultado ;)
Quem não tiver castanha caseira pilada, encontra facilmente à venda em qualquer supermercado.

03 janeiro 2011

ASSADO DE KIBE VEGETARIANO COM SOJA

Aqui está um "mundo novo" que pretendo explorar em 2011: kibe!

O paladar já não me era desconhecido. Encontrar receitas pelos blogs, também não, mas apenas em meados de 2010 é que me apercebi que o kibe não tinha necessáriamente que ser moldado em bolinhos, e que podia ser confeccionado de maneira mais prática, em kibe assado de tabuleiro.

A maioria das receitas de kibe são de carne e algumas de peixe (bacalhau). Poucas as variantes de kibe vegetariano. É por aí mesmo que pretendo evoluir. Qual a versatilidade do kibe no contexto veggie?

Para primeira experiência não me dei nada mal. Aliás, só me motivou a continuar as descobertas, por ter sido um tremendo sucesso!

Nesta versão, faço a sugestão de consumir o kibe como entrada, barrado com maionese e decorado com
azeitonas temperadas com limão e oregãos.

INGREDIENTES:

1/2 chávena (xicara) de soja texturizada;
1 chávena (xicara) de triguilho para kibe;
Cominhos, sal, sumo de limão e azeite p/ a soja;
Ervas de provence, sal e água p/ o kibe;
2 cebolas médias picadas;
3 dentes de alho picados junto com a cebola;
2 cenouras médias picadas;
3 ovos médios;
Sal e pimenta moida na altura;
Azeite para untar tarteira;
Maionese e azeitonas.

CONFECÇÃO:

Temperar a soja texturizada, a seco, com cominhos em pó e sal. Demolhá-la com sumo de 1/2 limão e pouca água. Regar com um fio de azeite. Não usar água a mais pois não se pretende deixar o tempero na tijela. 15 minutos.

Temperar o kibe de trigo integral com ervas de provence desidratadas e sal. Demolhar durante uns 10 minutos em água morna.

Picar a cebola com os alhos. Reservar.
Picar a cenoura. Reservar.

Espremer a soja e o kibe, juntar tudo com as mãos num refratário. Bater os ovos à parte e envolver na mistura. Rectificar de sal e pimenta. Acamar a mistura numa tarteira préviamente untada com azeite. Levar ao forno a 180º durante 30 a 40 minutos.

Servir morno ou frio, coberto de maionese sem ovo. Deixo-vos 3 opções:
Maionese de linhaça
Maionese de rebentos de soja
Maionese de rebentos de rabanete