17 janeiro 2008

4 MESES, 3 SEMANAS E 2 DIAS - Estreia 17 JAN 08

ESTEVE PRESENTE:

EUROPEAN FILM FESTIVAL ESTORIL (fora de competição) - NOV 07

FESTIVAL DE CANNES (vencedor da Palma de Ouro 07) - MAI 07

A Roménia é hoje um país conhecido,mais que não seja, graças a Bram Stocker e ao seu livro Drácula, cujo romance começa e termina na Transilvânia. Terra de rico folclore concernente a vampiros.

Antigamente, todo o camponês romeno acreditava piamente em vampiros, como acreditava no céu e no inferno. O vampiro vivo era, geralmente, um filho ilegítimo de duas pessoas ilegítimas. Os nascimentos antes do casamento, e as mortes de crianças antes de serem baptizadas poderiam dar origem a vampiros.


Mas não é de Vampiros que "fala" o filme 4 LUNI, 3 SAPTAMINI si 2 ZILE . Está, no entanto, relacionado com gravidez fora do casamento na Roménia Comunista onde o aborto era algo de moralmente errado e altamente marginalizado.

Na Roménia, o aborto foi legal de 1957 a 65. Em 1966, foi novamente proibido, assim como o uso de contraceptivos. A taxa de natalidade dobrou e os abortos caíram 95%. Paralelamente, a taxa de mortes maternas quadruplicou. Em 1990, o aborto voltou a ser liberalizado (uma das primeiras medidas após o fim do comunismo) e tudo voltou ao que era antes.

Durante a proibição, aos poucos, criou-se uma rede abortiva ilegal e já em 1984, a natalidade havia voltado ao nível anterior à proibição. Sem contraceptivos, deduz-se que a queda da natalidade deve-se aos abortos.

Este tema do aborto não é nada de novo em Portugal. Mas o formato romeno durante o comunismo é uma prespectiva bem diferente da que estamos habituados.


Neste filme acompanhamos uma jovem estudante que está de 4 meses de gravidez e que com o auxilio da sua colega de quarto contrata os serviços dum pseudo-médico. Este irá ajudá-la a abortar num quarto de hotel onde não há equipamentos hospitalares.

Tudo se complica quando a rapariga não tem o dinheiro suficiente para pagar o aborto e o médico propõe a remuneração em espécie através de serviços sexuais. Desesperadas por a gravidez já ir avançada, as duas raparigas aceitam a proposta.


Este Drama romeno pertence a um projecto maior chamado: Tales of the Golden Age. O objectivo deste projecto é falar desse período da história da Roménia, sem qualquer referência directa ao comunismo mas apenas através das lendas urbanas focadas em opções pessoais numa época díficil na qual as pessoas tinham de viver como se fossem tempos normais. Este é o primeiro filme da série.

COMENTÁRIO DO VATICANO
No jornal L’Observatório Romano, órgão oficial do Vaticano, a igreja católica considerou o filme sórdido principalmente por retratar os fetos como “objectos deitados no lixo”. Causou extrema tristeza ao Papa Bento XVI a estréia do filme “4 mesi, 3 settimane, 2 giorni” nos cinemas da Itália. Classifica o filme como "imundo", "uma nova barbaridade pessoal e colectiva" e um "novo golpe baixo contra o espectador (...) agora que as cenas de sexo saturaram qualquer tipo de atracção".

10 janeiro 2008

MADONAS - Estreia 10 JAN 2008


ESTEVE PRESENTE:

EUROPEAN FILM FESTIVAL ESTORIL (em Competição) - Nov 07

57º BERLINALE - BERLIN INTERN. FILM FEST (categoria FÓRUM) - Fev 07

Título original: MADONNEN
Género: DRAMA
Origem: ALEMANHA/SUIÇA/BÉLGICA
Ano: 2007

COMENTÁRIOS DA REALIZADORA - MARIA SPETH:

"Toda a gente parece saber o que uma mãe deve fazer. E se ela não desempenha o papel que a sociedade espera, sofrerá, em consequência disso, pesadas sanções morais.

Ao contrário dos pais nas mesmas circunstâncias. Mas a realidade social está repleta de mães que não desempenham o seu papel da forma como a sociedade espera.

Este foi o meu ponto de partida. Mas o meu objectivo era descrever uma pessoa específica e singular e não um protótipo social.

Este é o retrato de uma mulher que afirma que a sua mãe nunca foi uma mãe para ela. E por sua vez, ela tem vários filhos mas impinge-os à sua mãe, forçando-a a desempenhar o papel que negou à filha.

Queria que a história de Rita reflectisse os problemas das gerações passadas e futuras. E perguntar se a filha mais velha de Rita poderia dizer um dia: «Ela nunca foi uma mãe para mim»."










SINOPSE:

Rita foge para a Bélgica com o seu bébé por ser procurada por roubo e outros crimes na Alemanha. Sente-se perdida e procura referências. Parte à procura do seu pai biológico que nunca conheceu. Este já tem mulher e filhos e o aparecimento de Rita dá origem a problemas na familia. É presa pela policia Belga e deportada para a Alemanha onde cumpre uma longa pena.

Entretanto os outros quatro filhos vivem com Isabela, a sua mãe. Esta gere um restaurante e tem pouco tempo para as crianças. Assim como teve pouco tempo para criar Rita e ser uma mãe, no pleno sentido da palavra, para ela. Fanny a filha mais velha de Rita tem de tomar conta dos irmãos.
Quando Rita sai da prisão retoma a guarda dos seus filhos. No seu universo rocambolesco, Rita encontra companhia e animação junto dos militares americanos estacionados na Alemanha e acaba por se apaixonar por um deles.

Com a ajuda de Marc - um soldado americano - desenvolve-se uma vida familiar quase normal. Mas Rita não confia nos sentimentos de Marc e retoma ao seu estilo de vida anterior quando este anuncia que vai ser recolocado nos EUA. Encontra-se com outros homens e recomeça a roubar com uma amiga. Desiquilibra-se por completo.
COMENTÁRIO DA DISTRIBUIDORA - ATALANTA:

"Madonnen é uma primeira longa metragem de uma jovem realizadora que conta com os desempenhos magníficos de actores experientes e confirmados (Olivier Gourmet, Susanne Lothar) e de uma jovem grande promessa do cinema europeu (Sandra Huller), quem sabe até a mais jovenzita (Luisa Sappelt) virá a ser também uma surpresa nas telas após este início de carreira. Conta também com a fotografia de tons naturais, contrastada e seguramente certa de Reinhold Vorschneider. Tudo é harmonioso e incisivo neste filme, das cores aos desempenhos, no nosso ponto de vista. "